Escolha uma Página

Os advogados Valeska Martins e Cristiano Zanin explicam em vídeo o que levou o processo relacionado à propriedade de um apartamento triplex no Guarujá, no litoral do Estado de São Paulo, a ir parar na 13ª Vara Federal de Curitiba, capital do Paraná, onde trabalha o juiz de primeira instância Sérgio Moro.

A explicação termina mesmo por ficar só na tentativa, já que faltam razões jurídicas para a inusual distribuição processual. Afinal:

  • O apartamento fica no Guarujá, a verdadeira proprietária, a empresa OAS, tem sede na Bahia, e aquele que acusam de ser “proprietário de fato” (figura inexistente no Direito brasileiro) reside em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.
  • Os procuradores alegaram que o processo deveria ir para Curitiba porque tinha relação com contratados assinados pela OAS com a Petrobras, mas o próprio Moro admitiu posteriormente que nunca “afirmou que os valores obtidos pela Construtora OAS nos contratos com a Petrobras foram usados para pagamento da vantagem indevida para o ex-Presidente.”
  • Todas as outras pessoas investigadas na questão do triplex foram julgadas (e inocentadas) em São Paulo, menos Lula.

Assista ao vídeo:

POR QUE CURITIBA?

No especial sobre o Triplex do Guarujá, os advogados de defesa explicam as manobras dos procuradores da Lava Jato para levar o processo, que deveria ser julgado em São Paulo, para Curitiba.

Publicado por A verdade de Lula em Sexta, 12 de janeiro de 2018

 


Da Redação
 da Agência PT de Notícias